quinta-feira, 25 de outubro de 2012

A Mulher Insatisfeita


Escrevia cartas imaginárias, e ainda reclamava nunca ter recebido resposta.

(*) Imagem: Google

26 comentários:

  1. Os seus contos sempre arrancam um sorriso meu.
    Gosto da sutil complexidade deles.

    ResponderExcluir

  2. [eu, nós

    a voz
    no espelho que teima o silêncio.]

    um imenso abraço,

    Lb

    ResponderExcluir
  3. Putz, essa mulher só dando com um gato morto até que ele mie, pra deixar de ser reclamona,rsrs LINDO!! Só tu mesmo! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. A imaginação, quando potente, sempre se perde no caminho...

    ResponderExcluir
  5. Respostas imaginárias talvez não fossem suficientes...

    ResponderExcluir
  6. Muito bom Dolce.
    Criatividade acelerada
    Abraços e grato sempre.
    Bjo.

    ResponderExcluir
  7. rsrsrs... quando eu era pequena, eu escrevia muitas cartas imaginárias. E o pior de tudo: respondia... srrsrs

    ResponderExcluir
  8. Dolce Vita, fácil! Era só imaginar que as tinha recebido e lido. Faltou fechar o "cronograma do processo", certo?!

    Adorei esse seu blog e já o estou seguindo e perseguindo, rs.
    Grande abraço
    Manoel

    ResponderExcluir
  9. Triste, con toda la emocion de la espera
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  10. Isso é que é insatisfacão!muito inteligente seus contos!bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
  11. Somos colegas de profissão mas não letras, pois eu nunca conseguiria ter tamanha finura para escrever como tu.
    Adorei!
    Vim através do Blog de Eleonora Marino Duarte e vou ficar.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  12. Me lembrei de um conto do Gorki, mas não recordo o nome agora...

    ResponderExcluir
  13. As cartas era imaginárias, a solidão talvez tenha sido real. Gosto imenso dos seus contos que acordam reflexão.
    Muito bom!

    ResponderExcluir
  14. Há que se crer naquilo que escreve..rs

    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Conheço muitas pessoas assim! Um abraço!

    ResponderExcluir
  16. E as mandava num envelope imaginário
    por um correio abstrato
    real somente a saliva no lacre
    e no selo.

    mui belo minha contista.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  17. Certamente culpa dos correios.
    Abraços

    ResponderExcluir
  18. Oi.

    Vim conhecer e seguir seu blog.

    Bjo

    Ana Virgínia

    filhadejose.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Oi.

    Vim conhecer e seguir seu blog.

    Bjo

    Ana Virgínia

    filhadejose.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Eis uma boa metáfora para algumas atitudes que tomamos na vida… Inteligentíssimo, como sempre.

    ResponderExcluir
  21. Rss. Me fez lembrar uma amiga que era tão sozinha que deixava recados na própria secretária eletrônica pedindo que ligasse ( Infeliz mas com humor) Muito bom te ler, Dolce. Bj

    ResponderExcluir